Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Saltei do Sofá

Blogue pessoal sobre a minha viagem à volta do mundo, desde o Sudeste Asiático até à América do Sul.

29
Mar18

Pai - onde te sentes em casa em viagem

 

Pai é uma pequena vila no Norte da Tailândia, considerada por muitos como uma meca para os backpackers. Creio que pelo seu estilo hippie e, segundo dizem, pelas regras menos rígidas no que toca ao consumo de drogas. Bem, quanto a esta tema fiquei com algumas dúvidas… depois de ter sido revistada pela polícia.

A viagem de Chiang Mai a Pai é de dar a volta ao estômago. Subir e descer montanhas em constantes curvas apertadas (pelo que dizem Pai tem 752 curvas e é bem capaz de ser verdade) não poupa os estômagos dos mais sensíveis, onde eu obviamente me incluo. Mas meio agoniada lá cheguei a Pai, essa pequena vila com tantas promessas para querer lá ficar. Em 4 minutos a pé cheguei ao meu hostel e começou a magia!

Encontrei, no meio da vila, um encantador jardim com pequenos bungalows onde se respirava paz e tranquilidade. Dirigi-me à receção e encontrei uma senhora amorosa que me fez o check-in, me deu um mapa de Pai e me explicou exatamente o que fazer e como fazer, onde ir e onde não ir e até o sítio ideal para alugar uma scooter sem deixar passaporte :) Num instante fiquei munida com todas as ferramentas que precisava para a minha estadia naquela terra encantadora. Mas antes de me dirigir ao meu quarto, ainda fui informada que nessa noite teríamos no jardim um barbeque gratuito além das deliciosas bananas sempre disponíveis.  Portanto, toda uma receção que auspiciava uns dias bem passados naquele destino.

No dia seguinte fomos calorosamente acordados para tomar o pequeno-almoço e depois do estômago aconhegado o meu objetivo era alugar uma mota e fazer-me à estrada. Assim fiz. O primeiro destino era visitar uma cascata, mas a meio do caminho deparo-me com uma operação stop cá do sítio. Parei, desliguei a mota e fiquei a olhar para o polícia à espera que me pedisse o passaporte, carta de condução ou algo do género. Mas não, ele disse-me que estavam à procura de drogas e queria revistar a minha mochila. Dei-lhes tudo para que vissem, mas, sinceramente, ou eu tenho cara de santa ou com este tipo de revistas eles não vão achar o que querem. Segui o meu caminho entre as paisagens magníficas de Pai, apesar de estarmos na época seca e o verde já escassear. E terminei o meu roteiro numas hot springs maravilhosas. Creio que a água devia estar perto dos 40ºC e soube-me pela vida. Talvez por estar sozinha, rapidamente me tornei a escolha certa para parceira de brincadeiras dos pequenos tailandeses que ali estavam. Ah, crianças com energia! Não percebíamos a língua uns dos outros, mas fizemos a festa na mesma. Afinal, brincar é igual em qualquer parte do mundo. E são estes pequenos momento que enchem o coração e fazem valer tanto a pena por aqui andar.

Quando regressei a “casa” estacionei a minha mota no jardim e fui calorosamente recebida pela dona do hostel que, como se de uma mãe se tratasse, me perguntou como tinha sido o meu dia e o que tinha feito. De seguida, ainda fizemos uma pequena surpresa de aniversário ao dono do hostel, ao cantar-lhe os parabéns com um bolo minúsculo do 7eleven (o continente da Tailândia).

E foi assim, no meio deste ambiente familiar e tranquilo que passei os meus dias em Pai. Uma terra que vale bastante a pena visitar e que já tenho pena de não ter ficado mais tempo, apenas a deliciar-me com a paz e tranquilidade que lá se respira.

Quem sou eu

Sou uma miúda inconformada e curiosa. Passei a maior parte do meu tempo a viajar no sofá, através da minha mente imparável. Mas, aos 30 anos, descobri que era altura de saltar do sofá e ir viver com os 5 sentidos.

Armada em Fotógrafa

Para desabafos

salteidosofa@gmail.com

No passado

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D